Arquétipos de Personagem: Por que e pra quê?

medieval-clothes-5Saudações, cães!

Por mais de uma vez ouvimos, de pessoas que testaram o Belregard com seus grupos, que o jogo pode ser um pouco difícil de ser apresentado por conta de suas possibilidades muitas. Compreendemos o valor dessa crítica e dizemos que, com um pouquinho de calma, você consegue aparar tudo que pode (parecer) estar sobrando. O mais lógico e óbvio passo para que você, narrador, consiga limar um pouco estas arestas é perceber que nosso sistema, o Crônicas, só tem a te ajudar com isso! No Crônicas é aconselhado que o narrador crie a Ficha da Crônica antes do jogo, onde, em linhas gerais, ele vai prever quantas sessões em média seu jogo vai ter, qual o tema central e, especialmente, que tipos de personagens os jogadores poderão construir, para entrarem de cabeça nessa experiência sem grande dificuldade. É claro que um narrador pode fazer o caminho inverso a isso, criando personagens primeiro e então bolando a ficha da crônica quase que em conjunto, muita gente faz assim.

Se você conhece ainda muito pouco do Crônicas e acha confusa essa coisa das fichas, da uma ouvida nos podcasts do pessoal do Perdidos no Play. Eles fizeram programas especiais dedicados ao Crônicas para facilitar o entendimento:

PnP 34: Conhecendo o Crônicas RPG

PnP 38: Crônicas RPG – A Ficha de Crônica

Com esse cuidado básico, o narrador já consegue se concentrar no que importa. Um exemplo forte disso são os nossos cenários utilizados em medieval-clothes-3encontros (que logo terão versões atualizadas em PDF, aguardem!). Desde o primeiro, o Evangelho do Cão, os jogos foram direcionados (com personagens que trabalhavam para a igreja no caso supracitado). É importante o narrador saber que tipo de história ele vai contar, que tipo de contexto ele vai abordar. Belregard lhe dá inúmeras oportunidades diferentes para explorar elementos clássicos da fantasia medieval até questões mais melancólicas, como a luta perdida dos Arautos.

Uma das coisas mais fantásticas do sistema Crônicas é a criação livre de personagens. Você pode escolher uma ocupação, mas ela serve apenas como GUIA, como um direcionamento, uma sugestão de como encaixar seu personagens no mundo e isso é ótimo, facilita o trabalho do narrador, que pode escolher que ocupações, níveis de status e mesmo riqueza, se encaixam em sua narrativa. Cientes disso, decidimos criar alguns arquétipos de personagens para Belregard.

Estes arquétipos irão funcionar como uma mistura de etnias+ocupações+localidade (não necessariamente nessa ordem), ajudando a pincelar com cores o mundo cinzento de Belregard. Fique de olho que logo começaremos a liberar os arquétipos, que serão todos linkados abaixo neste post. Para ilustrar os arquétipos, utilizaremos as artes vitrais do Crônicas, feitas pelas artistas Camilla Guedes e Kimie Noda.

Cavaleiro(a) Mercante

Cães de Belghor

Hussardos

Legislador(a)

Trovador(a) Dalano(a)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s